Relato de parto normal
10 de fevereiro de 2017
Relato de parto domiciliar planejado
17 de fevereiro de 2017

Sabemos que nosso país é o campeão mundial de cesarianas, com 52% dos bebês nascendo via cirúrgica, com cenário ainda mais alarmante no setor privado, chegando a 88%. (Fiocruz), enquanto a recomendação da Organização Mundial da Saúde é de que não ultrapassem 15% de todos os nascimentos de um país.

Naturalmente, comparar esses números nos chama a atenção e faz pensar! Seria a nossa uma comunidade com particularidades físicas que impedissem o parto normal? Haveria por aqui estudos, pesquisas e evidências ainda inéditos para o resto do mundo, que concluíssem que essa é a melhor via de nascimento para as brasileiras (e talvez sejamos tão pioneiros que nem a OMS esteja ciente ainda)? Ou, talvez, os estudos e evidências científicas apontem, de fato, para conclusões que embasam a recomendação da OMS e, por aqui, estejamos na contramão das recomendações das melhores práticas em saúde?

Acreditamos que se trata da última alternativa acima – como concluiu a pesquisa “Trajetória das mulheres na definição pelo parto cesáreo”, da Fiocruz, e que “a baixa informação recebida pelas mulheres em relação às vantagens e desvantagens dos diferentes tipos de parto e a baixa participação do médico como fonte desta informação” estão diretamente relacionados à alta taxa de cesarianas no Brasil.

Por isso, com base no que se conhece hoje, e com o intuito exclusivo de mudar esse aspecto de nossa cultura e trazer informação valiosa e tantas vezes negada a mulheres e famílias, apresentamos a seguir as 6 incontestáveis indicações para a cesárea:

Placenta prévia – neste caso, o parto normal é impedido porque a placenta aderiu-se sobre o colo do útero, fechando total ou parcialmente a passagem do bebê e, neste caso, inclusive deve-se evitar o trabalho de parto, pois com a dilatação do colo poderia acontecer um descolamento da placenta que colocaria em risco a vida do bebê.

Bebê transverso – quando o bebê está atravessado dentro do útero até o trabalho de parto (como ele pode mudar de posição em qualquer momento antes ou mesmo durante o trabalho de parto e há manobras para tentar a versão, não há necessidade de se agendar uma cesárea com antecedência);

Herpes genital ativa – indicado para quando a lesão causada pelo vírus está ativa quando tem início o trabalho de parto. A lesão pode desaparecer em pouco tempo e pode-se tentar uma profilaxia com medicamentos nas últimas semanas de gestação para evitar que apareçam, por isso, não há necessidade de agendamento de uma cesárea se aparecer durante a gestação.

Prolapso de cordão – Se o cordão umbilical apresentar-se antes do bebê, com dilatação não completa ou se o mesmo romper-se, a cesariana de emergência é indicada, pois o bebê para de receber o aporte de oxigênio e precisa nascer imediatamente.

Descolamento da placenta – Se a placenta começar a desprender-se da parede uterina antes ou durante o trabalho de parto, fora do período expulsivo, a cesariana de emergência também deve acontecer com máxima urgência e rapidez, pois assim como no caso do prolapso de cordão o bebê perde seu aporte de oxigênio.

Ruptura de vasa praevia – Quando há vasos fetais cruzando ou atravessando em proximidade com o orifício interno do colo do útero e possuem risco de ruptura quando suas membranas de suporte rompem.

As circunstância descritas acima são situações em que a realização da cirurgia cesariana não somente é indicada, como mandatória para salvar a vida de mãe, bebê ou ambos. Existem outras situações que podem acontecer intra parto, como uma suposta desproporção céfalo-pélvica (quando após dilatação completa o bebê não consegue passar pela pélvis da mãe), batimento cardíaco fetal não tranquilizador constatado pela ausculta (bradicardia ou taquicardia) ou parada de progressão, mas nos três casos podem ocorrer “falsos positivos” e é impossível ter certeza que a cesariana foi bem indicada ou necessária (embora muitas vezes seja realmente).

Portanto é essencial estar bem informada e assistida por uma equipe confiável e respeitosa de sua autonomia para não correr o risco de ser (e ter seu bebê) submetida a uma cirurgia desnecessária – se esse não for seu plano –  com falsos pretextos (a lista seria imensa) que mascaram uma prática mau intencionada (quando é simplesmente pela conveniência do profissional) ou por falta de competência técnica.

 

Deixe uma resposta

https://www.netkart.org Στοίχημα paykasa